quinta-feira, 10 de abril de 2008

Encher chouriços - POESIA DE ANDAIME

Como as dores de cabeça ainda não desapareceram por completo, o que tem tido um efeito notório na qualidade deste blog, algo pelo qual peço desculpa aos meus leitores, venho aqui encher mais uns chouriços. Agradeço a todos aqueles que deixaram aqui a sua mensagem, acho que é mesmo falta de uma noite bem dormida. Felizmente o fim-de-semana já está mesmo aí. O chouriço é um pequeno excerto de um mail que recebi. Divirtam-se!
POESIA DE ANDAIME
Ó flôr dá para pôr?
És como um helicóptero: gira e boa.
Ó “morcona”, comia-te o sufixo.
Ó jeitosa, és mais apertadinha que os rebites de um submarino.
Tantas curvas e eu sem travões.
A tua mãe só pode ser uma ostra para cuspir uma pérola como tu.
Ainda dizem que as flores não andam.
Ó filha, com um cuzinho desses deves cagar bombons.
Ó filha, levavas aí com o martelo pneumático que fazíamos o túnel do Marquês num instante. (pena ninguém ter dito isto ao Santana)
Diz-me lá como te chamas para te pedir ao Menino Jesus.
És um bilhete de primeira classe para o pecado.
Com uma montra dessas, imagino como é o armazém.
Ó doce, anda cá a cima fazer uma festinha ao tareco.
Com umas bóias dessas o Titanic não tinha ido ao fundo.
Com um piso desses deves ser mais rodada que a 2ª Circular.

3 comentários:

RP disse...

A minha favorita será sempre a:
"Posso pagar-te um copo ou preferes o dinheiro?"

Genial. Sucesso garantido!

JP Antunes disse...

dos obreiros de oeiras com amor:

"devia ter ido para pescador, se soubesse que as sereias eram todas assim"

"anda ca sentar-te ao meu colo e falar do que vier ao de cima"


vá lá... dá para pelo menos um sorrisinho!

as melhoras!

Rocket disse...

isto é para ler aos soluços de tanto rir...a começar oelo título...

bjod