terça-feira, 23 de outubro de 2007

Bravo


Resumo retirado daqui:
"Erica Bain (Jodie Foster) está noiva de David e sente-se feliz. A sua felicidade vai-lhe ser roubada numa noite em que, numa fracção de segundos, o seu noivo é assassinado e ela fica gravemente ferida. Erica cura-se lentamente das suas feridas mas não consegue recuperar da perda de David.
Incapaz de ultrapassar o que aconteceu, Erica resolve agir contra o medo que sente e contra as pessoas que lhe roubaram a vida. Começa a patrulhar as ruas, compra uma arma e, em legítima defesa, acaba por começar a fazer justiça pelas próprias mãos."

Tenho de começar a crítica a este filme dizendo que acho incrível e admirável como a Jodie Foster, de 45 (!!) anos, basta um cabelo mais curto e umas ropinhas de adolescente, consegue aparentar nem 30, ao contrário de Ellen Pompeo.
Futilidades à parte, JF tem mais um profundo papel entre mãos que abraçou da melhor forma, como só ela sabe fazer. Apesar das cenas de violência não serem, verdade seja dita, muito fortes, quando comparadas a filme mais recentes como Death Proof, por exemplo; a carga emocional da história e da representação de JF fazem um enorme peso neste filme. Mas atenção, falo no bom sentido! Na verdade, o argumento está tão bom e a actriz tão bem escolhida, que cenas mais violentas seriam desnecessárias! O que marca são os pensamentos, as palavras, a música harmoniosa que contrasta com tudo o resto. Não esperem muitas mortes, muito sangue ou um final fantástico. Este filme não é desse género. Ele foi feito para nos dar uma lição e nos chamar a atenção à violência que se vive neste mundo e à impotência do sistema judicial. Aqui em Portugal sabemos bem o que é isto!
A tradução do título foi muito bem dada (e refiro aqui porque até acho que está mais de acordo com o filme que o título original): "A Estranha em mim"; evidenciando que após o evento a que sobreviveu, ela não pode ser quem era antes, falta-lhe um importante elemento de uma vida que morreu na mesma noite que o seu noivo.
Aconselho a irem ver, quem sabe se não é com este que JD não ganha o 3º Oscar...

2 comentários:

Cláudia L. disse...

Concordo plenamente. Adorei o filme e a interpretação é brilhante.
Fica bem.

Restelo disse...

Cara Cláudia, benvinda aqui ao estaminé e obrigada pelo comentário.